Uma Iniciativa Febraban

Por que falar de educação financeira, hoje, no Brasil?

Entenda a importância do tema, o que é e para quê serve a Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF)


No planeta Terra habitam 7,4 bilhões de pessoas que recebem, pagam, trocam, emprestam ou poupam os cerca de 5 trilhões de dólares que estão em circulação na economia. Ou seja, lidam cotidianamente com dinheiro. Mesmo tão presente no dia a dia, usá-lo de forma consciente e planejada permanece um mistério para muita gente.

Uma pesquisa feita com 150 mil pessoas em 140 países procurou medir o grau de educação financeira mundial. Os dados mostram que, no mundo todo, a cada 3 adultos, 2 são considerados analfabetos financeiros. No Brasil, não é diferente. Apenas 35% dos adultos pesquisados responderam corretamente às questões propostas no estudo, colocando o país na 74º posição no ranking global.


Mas afinal, o que é educação financeira?

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Educação Financeira é “o processo mediante o qual os indivíduos e as sociedades melhoram a sua compreensão em relação aos conceitos e produtos financeiros, de maneira que, com informação, formação e orientação, possam desenvolver os valores e as competências necessários para se tornarem mais conscientes das oportunidades e riscos neles envolvidos e, então, poderem fazer escolhas bem informadas”.

Traduzindo em miúdos: uma pessoa educada financeiramente é aquela que está preparada para fazer boas escolhas com o seu dinheiro e usar corretamente os produtos financeiros.

 

Origens e consequências da falta de aprendizado financeiro

Se o dinheiro está presente na vida de todos nós, dá para imaginar as consequências de não saber usá-lo corretamente. Um dos efeitos mais visíveis é a inadimplência. No Brasil, são 60 milhões de pessoas com contas em atraso, segundo dados do Serasa. É quase metade da população adulta do país!

O alto índice de inadimplência tem várias origens. As principais são a recente bancarização, com a inclusão de um grande número de pessoas no sistema financeiro, a expansão do crédito e o longo período de hiperinflação vivida pelo país, que deixou como saldo um comportamento imediatista, de ganhar hoje e correr para gastar antes que o dinheiro perdesse o valor.

Além do bolso, a falta de conhecimento, planejamento e organização financeira afeta outros aspectos da vida das pessoas, independentemente da renda que elas têm:

  • > Saúde: problemas financeiros podem gerar stress, depressão, ansiedade e outros distúrbios.
  • > Trabalho: as preocupações com dinheiro reduzem a produtividade, provocam faltas e aumentam a incidência de fraudes internas.
  • > Família: problemas financeiros podem causar conflitos nos relacionamentos e até divórcios.
  • > Escola: muitos jovens deixam de estudar e preparar seu futuro por não conseguirem pagar as mensalidades.


ENEF: uma bússola para orientar e fortalecer a educação financeira no Brasil

Diante desse cenário, o governo brasileiro decidiu seguir a trilha de outros países e, em 2010 instituiu a ENEF, Estratégia Nacional de Educação Financeira. Seu objetivo é fornecer e apoiar ações que ajudem a população a tomar decisões financeiras mais autônomas e conscientes.

Para criar a ENEF, foi preciso colocar muita gente para dialogar e compor um comitê, chamado de CONEF (Comitê Nacional de Educação Financeira), formado por órgãos e entidades governamentais, além de organizações da sociedade civil. Conheça os órgãos que compõem o CONEF.

Juntos, os representantes dessas organizações desenvolveram uma série de documentos para nortear as ações e práticas de educação financeira no país. Com base nesses materiais, qualquer pessoa física ou jurídica que deseje implementar ações de educação financeira em sua comunidade, empresa ou escola pode se orientar nos princípios, diretrizes, conteúdos e metodologias da ENEF. E, assim, desenvolver suas ações de maneira alinhada à Estratégia Nacional. Conheça o Plano Diretor da ENEF e seus anexos.

O Meu Bolso em Dia, da Febraban, integra esse esforço, levando conteúdos que ajudem as pessoas a organizar suas vidas financeiras e a cuidar bem do dinheiro. Saiba mais sobre os objetivos do Meu Bolso em Dia.


Selo ENEF: garantia de qualidade das ações de educação financeira no país

Para garantir a qualidade das ações e incentivar as organizações a desenvolverem projetos seguindo os princípios da Estratégia Nacional de Educação Financeira, foi criado o Selo ENEF, uma marca que identifica as iniciativas alinhadas com as diretrizes da ENEF.

Ele é concedido a empresas e outras organizações e, para se candidatar, é preciso seguir os passos indicados no Edital do Selo ENEF. As iniciativas cadastradas são avaliadas por um comitê e, se aprovadas, recebem o direito de utilizar, por até quatro anos, esta marca nos materiais de divulgação de sua ação:



Conheça as iniciativas aprovadas para usar o Selo ENEF até 2019.




Empoderando grupos sociais mais vulneráveis

De acordo com o Mapa da Educação Financeira no Brasil, publicado em 2013, existem pessoas mais vulneráveis a questões de consumo, por possuírem menos acesso à informação, formação e orientação financeira. Os idosos, as crianças e os moradores de regiões menos assistidas por órgãos de defesa do consumidor são algumas delas. Para garantir o atendimento a esses públicos, a ENEF desenvolve as seguintes iniciativas:

> Programa de Educação Financeira a Crianças e Jovens: formação de professores e materiais desenvolvidos especificamente para cada faixa etária de alunos do ensino fundamental e médio da rede pública. Já foi aplicado com sucesso em mais de mil escolas desde que foi criado, em 2014. Todo o material está disponível para as escolas que desejem adotar o programa por meio da plataforma aberta de educação financeira. 

> Programa de Educação Financeira a Adultos: ainda em fase de testes, tem por objetivo desenvolver metodologias de educação financeira para aposentados de baixa renda e mulheres beneficiárias do Bolsa Família em todo o Brasil.

 

Semana ENEF: aproximando quem faz e quem precisa de educação financeira no país

Para reforçar a disseminação da educação financeira no país é realizada  anualmente a Semana Nacional da Educação Financeira. Ao longo de uma semana, acontecem simultaneamente diversos eventos e ações educacionais, com uma agenda oficial e outras iniciativas distribuídas em todo o território nacional.

Em 2017,  a Semana ENEF acontece de 8 a 14 de maio. Acompanhe a programação pelo site http://www.semanaenef.gov.br/ e participe!



Matérias Relacionadas

Crédito fácil? Cuidado, ele pode ter um preço alto

Tudo sobre o cartão de crédito

Por dentro do cheque especial

Prepare-se para viver sem dívidas

Prepare-se para tirar seus planos do papel

Investir em educação aumenta a renda