Uma Iniciativa Febraban

Sorte e finanças

Cuidados e opções para quem gosta de apostar

 

No fim-do-ano, muitas pessoas são atraídas pela promessa de ganhar uma bolada apostando em loterias como a Mega-Sena da Virada, Lotofácil e outras. A ideia de ganhar dinheiro fácil, como num passe de mágica, é sedutora e pode levar muita gente a gastar o dinheiro das contas do mês em jogos. Por isso, todo cuidado é pouco quando se trata de separar dinheiro para esta finalidade. Veja algumas dicas para apostar com consciência e conheça produtos financeiros que contam com a sorte.

 

Use apenas a sobra para apostar

Não se deve trocar o certo pelo duvidoso, dizem os mais experientes. Portanto, se você gosta de fazer uma fezinha, lembre-se que o dinheiro da aposta não deve vir dos recursos necessários para poupar ou pagar as contas do mês. Somente depois de reservar o dinheiro para suas necessidades básicas e suas reservas é que a sobra pode ser direcionada para apostas. Este é um recurso que tem uma grande chance de ser perdido, por isso, não dá para contar com ele.

 

O dinheiro do troco

Outra sugestão é usar as moedinhas de troco que geralmente vão para o fundo da gaveta e acabam sem uso. Se elas não estão fazendo falta, por que deixá-las empoeirando e perdendo seu valor? Se quer ter uma chance, mesmo mínima, de ganhar uma bolada, elas podem ser usadas para suas apostas.

 

Bolão dos amigos

O famoso bolão é uma forma de apostar coletivamente e aumentar as chances de ganhar. Juntando dinheiro de vários participantes, é possível obter uma quantia maior e multiplicar as combinações numéricas, gerando mais oportunidade para todos. Leve em conta que cada participante do bolão tem a sua realidade financeira, por isso contribua apenas com o valor proporcional ao que a sua capacidade permite, e se tiver ganhos, eles também serão proporcionais.

 

Produtos financeiros que usam sorte

Uma forma inteligente de apostar é contratar produtos financeiros que combinam sorteios com aquisição de bens, poupança ou devolução do valor apostado.

O consórcio, por exemplo, é uma forma de acelerar a compra de bens ou serviços por meio de grupos que se reúnem para comprar de forma coletiva. Nele, cada participante do grupo contribui com uma fração do valor necessário para adquirir o bem e, mensalmente, tem a chance de ser contemplado com o valor total equivalente ao preço do produto ou serviço. Outra forma de ser contemplado é ofertar um lance, como se fosse um leilão. O maior lance leva o valor total. Caso não seja contemplado por sorteio ou lance, o consorciado receberá o valor corrigido ao final do período. Como em qualquer aposta, não dá para contar com a sorte, por isso, o consórcio é indicado para quem não tem pressa.

A capitalização é uma forma de apostar, assim como fazer uma fezinha na lotérica. A diferença é que, neste caso, ao invés de perder todo o dinheiro da aposta, parte do valor apostado é devolvido após um ano. É importante não confundir capitalização com investimento, já que o produto não tem rentabilidade. Por isso, ele é indicado para quem já poupa e ainda assim tem uma sobra no orçamento para direcionar a apostas. Saiba mais sobre esse produto na matéria Capitalização: entenda o que é e para quê serve

Por fim, a poupança premiada é um produto que combina o rendimento da poupança com sorteios periódicos. Este não é um produto fixo dos bancos, geralmente fica disponível por tempo limitado, em campanhas organizadas pelas instituições financeiras para atrair clientes para a poupança, oferecendo chances de ganhar prêmios em dinheiro.

Seja qual for a aposta de sua escolha, saiba que confiar exclusivamente na sorte é arriscado, por isso, a dica é apostar na sua educação. Ao investir em sua saúde e cuidar bem de seu orçamento, você garante sua capacidade de gerar renda certa e administra seu dinheiro sem dar sopa para o azar.




Matérias Relacionadas

Capitalização: entenda o que é e para quê serve

5 truques (testados e aprovados) para guardar dinheiro

Consórcio ou financiamento?

Crédito fácil? Cuidado, ele pode ter um preço alto

>

Tesouro direto e poupança: onde é mais seguro investir hoje?