Uma Iniciativa Febraban
Atualizado em: 16 jul 2019 às 07h e 32m

Aprendendo a poupar para realizar sonhos


Conheça as histórias dos ganhadores do concurso cultural Quem Sonha, Poupa!

 

Ter um emprego, uma casa própria, morar fora do país e fazer um intercâmbio no exterior são os maiores sonhos dos jovens brasileiros, de acordo com pesquisa feita pelo Nube (Núcleo Brasileiro de Estágio). Mas poucos conseguem se organizar para realizar seus projetos em algum momento da vida. Segundo dados do Banco Mundial, apenas 6% dos jovens até 24 anos têm o hábito de poupar.

Como acessar esse público e incentivar a mudança de comportamento, estimulando a população de jovens adultos a colocar o futuro, que parece tão distante, em sua lista de prioridades? Esse foi o desafio que orientou a realização do concurso cultural Quem Sonha, Poupa!, promovido pela FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos durante a 6ª Semana Nacional de Educação Financeira, de 20 a 26 de maio de 2019.

O concurso teve duas etapas: na primeira, os participantes deveriam estudar os conteúdos de educação financeira disponibilizados no site e responder a um Quiz sobre poupança e investimentos. Mais de 17 mil inscritos completaram o Quiz e foram para a fase seguinte. Os melhores classificados deveriam enviar um vídeo pessoal contando o que aprenderam durante a ação, quais os seus sonhos e como pretendem alcançá-los.

No total, foram recebidos 37 vídeos. Todos recheados de boas histórias, lições aprendidas durante o processo e narrativas que emocionam pela transformação gerada. Para quem assistiu a todos os vídeos, fica a impressão de que estes jovens nunca mais serão os mesmos no que se refere à organização financeira.

Uma comissão julgadora formada por representantes externos – não funcionários da FEBRABAN e especialistas em educação financeira – avaliou os vídeos e escolheu os 5 ganhadores, um de cada região do Brasil, conforme previsto no regulamento. Cada um receberá, como prêmio, uma viagem de intercâmbio no exterior, no valor de R$ 20.000,00.

Os vídeos dos vencedores foram divulgados nas redes sociais e a gente resolveu conversar com cada um deles para saber mais sobre suas histórias. É o que você confere a seguir.

 

Beatriz tem 20 anos e mora no Plano Diretor Norte, em Palmas, Tocantins. Começou a trabalhar aos 17 anos, como assistente administrativa, em uma indústria multinacional de óculos instalada em sua cidade. Entrou como jovem aprendiz e, dois anos depois, foi efetivada. Nesse período, fez o curso técnico de enfermagem, concluído em novembro de 2018.

Escolheu esse curso por influência da família. Suas tias trabalham na área de saúde. Mas o sonho da Bia é seguir carreira no mundo corporativo e, quem sabe, fazer um curso de Administração de Empresas.

Por enquanto, ela e o marido, Valério Gomes, 24 anos, batalham para bancar a vida a dois e conseguir guardar algum dinheiro. Eles casaram em março de 2019 e não conseguiram, ainda, terminar de montar a casa. Valério trabalha em um escritório de contabilidade e ambos ganham um salário mínimo. Com esse dinheiro, conseguem pagar o aluguel, as contas básicas e ainda poupam R$ 180,00 por mês.

“Essa foi uma coisa que aprendi participando do concurso. É importante ter algum dinheiro guardado porque, em uma emergência, a gente tem para onde correr”, diz. Para conseguir poupar, assim que recebe o salário, o casal separa o dinheiro das contas, um pouco para sair com os amigos durante o mês e o valor para guardar.

Ela ficou sabendo do concurso por meio de uma mensagem de WhattsApp que Valério recebeu de uma amiga e resolveu participar. Entrou no site e estudou bastante. Quando passou na primeira etapa, foi uma alegria só. Na hora de fazer o vídeo, usou outros dotes que possui: Bia canta e compõe. Herdou essas habilidades de sua família. Seus avós, tios e irmãos são músicos. Sua mãe é cantora de forró regional do Tocantins e compõe músicas que abordam a força da mulher negra.

Em seu vídeo, ela respondeu em prosa e verso às questões propostas no Regulamento do concurso.

 


Depois de concluir o primeiro ano do curso de Engenharia de Produção na Universidade Federal do Ceará, Yvna resolveu fazer, paralelamente, o curso de Psicologia na Universidade de Fortaleza (Unifor), uma instituição privada. Ali ela se encontrou e, seis meses depois, abandonou a Engenharia e passou a se dedicar à nova formação. “Eu me apaixonei pela Psicologia. Quero fazer um mestrado na área no exterior e abrir meu próprio consultório”, conta.

Yvna tem 21 anos e mora no bairro de Dionísio Torres, em Fortaleza, no Ceará. Vive com os pais e, para conseguir pagar a faculdade particular, se esforçou e conseguiu uma bolsa de pesquisa. “Era um gasto a mais, mas meus pais perceberam que era isso o que eu queria e me apoiaram”.

Ela sonha fazer um intercâmbio no exterior. Pesquisando opções de bolsas, na internet, acabou chegando a matérias que divulgavam o concurso cultural Quem Sonha, Poupa! Entrou no site e decidiu participar. “Mesmo que eu não conseguisse a bolsa, iria aprender sobre um tema que eu nunca tinha estudado”. Leu atentamente o e-book Um guia prático para aprender a guardar dinheiro e outros materiais. “Gostei muito do conteúdo. É superacessível e fala com a gente. Já tinha visto outros textos de educação financeira, mas sempre desistia porque eram muito técnicos e distantes da minha realidade”.

Depois de estudar, ela preencheu o Quiz e ficou entre os 50 classificados. Quando viu o resultado, ficou animadíssima e decidiu enviar, para a segunda etapa, um vídeo que contasse uma história, no formato de animação. Olha como ficou legal!

 

Pensa em alguém que tem orgulho da carreira que escolheu. A Laynne é assim. Ela cumpriu a sua formação básica em escolas públicas e, ao terminar o Ensino Médio, ganhou uma bolsa para fazer cursinho em Brasília (DF), que fica a 150 quilômetros da cidade onde mora, São João da Aliança, na Chapada dos Veadeiros, em Goiás.

Foi um ano integralmente dedicado aos estudos, sem finais de semana e feriados. Terminando o cursinho, prestou vestibular e ingressou em Enfermagem na Universidade de Brasília, uma instituição de ensino federal. “Sempre gostei de mexer com pessoas, mas queria fugir de dar aula, porque tenho uma família de professores. Minha motivação é ajudar, então, fui para a Enfermagem”, explica.

Laynne se formou no final de 2018 e, em seguida, voltou para sua cidade. Ela tem 24 anos, vive com a mãe e está batalhando para conseguir um emprego na região. Sua cidade tem cerca de 13 mil habitantes e trabalho por lá não é fácil.

Ela tinha ouvido falar da Semana ENEF, pesquisou para saber mais e acabou chegando ao concurso. Entrou no site e passou alguns dias estudando os conteúdos sobre poupança. “Foi um choque de realidade, porque nunca tinha parado para pensar nesse assunto. Minha geração é muito imediatista, é tudo agora. Mas é importante entender que o amanhã vai chegar e você precisa se preparar financeiramente para ele”.

Antes de enviar seu vídeo, na segunda fase do concurso, ela leu o regulamento “umas dez vezes” e teve a preocupação de refletir sobre seus aprendizados. “Sou uma sonhadora nata e agora acordei!”. Assista ao vídeo para entender melhor essa história.

 

Nathalia tem 23 anos e mora com a mãe e a irmã no bairro da Mooca, na Zona Leste da capital paulista, onde nasceu. É formada em Letras, habilitada para ser tradutora e intérprete em língua inglesa e trabalha como revisora de texto em uma empresa da área. Seu hobby predileto é ler.

Ela estava acompanhando as divulgações sobre a Semana ENEF e resolveu olhar a programação. “Fiquei curiosa e fui atrás”.  Procurando na internet, chegou a uma matéria publicada pelo G1, da Globo, que falava sobre o concurso. Entrou no site, acessou os materiais e assistiu aos vídeos. “O concurso me ajudou a fazer uma série de reflexões. Eu tinha informações soltas e consegui articular o conhecimento sobre finanças. Sempre anotei minhas despesas, mas vi que posso me organizar melhor”.

O que ela achou mais interessante foi o aprendizado sobre investimentos. “Eu sabia que existia um fundo que garantia o dinheiro aplicado, o FGC, mas não tinha ideia de como ele funcionava e quais investimentos eram cobertos. Descobri, ainda, outros tipos de aplicações que têm a ver com o meu perfil, como o LCI e o LCA”.

Outra coisa que ela descobriu: conhecer mais sobre economia e finanças pode representar também novas oportunidades de trabalho como tradutora e pretende se aprofundar nesses temas. Assim, poderá incrementar sua poupança e realizar seus grandes sonhos: aprender outras línguas e conhecer o máximo de países que conseguir.

Ganhar o concurso vai viabilizar uma parte desses objetivos. “Estava no trabalho e, quando vi o resultado, nem acreditei. Fiquei muito feliz. A iniciativa foi muito legal porque os jovens carecem de educação financeira no Brasil”. Ela já começou a fazer a sua parte: baixou o e-book Quem Sonha, Poupa! e tem usado o material para ajudar os amigos a organizarem suas finanças e investimentos. Assista ao vídeo. 

 

Leonardo nasceu e vive com os pais em Gravatal, um município de 11 mil habitantes situado a cerca de 150 quilômetros de Florianópolis, Santa Catarina.  A cidade recebe um grande número de turistas em busca de suas águas termais e, por isso, possui uma rede hoteleira bem estruturada. Foi justamente em um hotel que Leonardo começou a trabalhar, aos 17 anos. Seu último cargo foi na cozinha do hotel.

Hoje com 23 anos, ele concluiu o curso de Publicidade e Propaganda na Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina) e decidiu já engatar no mestrado em Ciências da Linguagem, que começa em agosto de 2019.

Para se dedicar ao processo seletivo do mestrado e ter um desempenho que o permitisse acessar uma bolsa de estudos – a universidade é privada –, saiu do emprego. “Se não conseguisse a bolsa, eu talvez não pudesse fazer o mestrado”, diz. Ele pretende seguir com a carreira acadêmica e, também, trabalhar na área de propaganda.

Ele sempre gostou de viajar, mas nunca saiu do país. Desde criança, sonha conhecer Nova York. “Com o concurso, eu vou ter a oportunidade de realizar esse sonho e, também, de estudar inglês para prestar o exame de proficiência que vou precisar para o mestrado”, conta. “Vou tirar o máximo aprendizado tanto do curso quanto da experiência da viagem. Estou muito animado. Ainda não estou acreditando 100% que é real”.

Ele descobriu o concurso a partir de um post nas redes sociais e resolveu participar, sem muita expectativa de que fosse ganhar. Estudou bastante e, quando passou na primeira fase, caprichou no vídeo. Seu grande aprendizado: poupar hoje para não se poupar de viver amanhã. Veja como ficou o vídeo. 




Matérias Relacionadas

Enfrentando o desafio de aprender a poupar

Por que falar de educação financeira, hoje, no Brasil?

Brincar sem Consumir - Educação financeira desde cedo

O que são fundos de investimentos e como escolher?

Professor, você pode ser um educador financeiro

Tudo sobre a poupança