Uma Iniciativa Febraban
Atualizado em: 18 jun 2019 às 12h e 25m

Pensando em comprar ações?

Saiba mais sobre elas e como investir nesse mercado com mais segurança

 

Os investimentos em ações estão em alta no Brasil. Fala-se muito das oportunidades de ganhos nesse mercado. Mas é preciso saber que ele é, também, um dos mais arriscados, ou seja, as chances de perder dinheiro com ações são maiores do que em outros tipos de aplicações. Principalmente, se você não conhece bem o assunto, não tem fôlego financeiro e sangue frio para lidar com as altas e baixas no valor das ações.

Por isso, antes de sair por aí comprando papéis de empresas só porque viu uma notícia ou vídeo dizendo que esse é um bom negócio, é importante entender o que são e como funcionam as ações, descobrir se elas são adequadas para você, conhecer os riscos e as medidas que você pode adotar para investir nesse mercado com mais segurança. É o que você confere a seguir.

 

O que são ações

Quando precisam levantar recursos para investir em expansão, melhorias em seus processos e outros projetos que viabilizem seu crescimento, algumas companhias dividem seu capital social em pequenas partes, chamadas ações. Ao comprá-las você se torna dono de um pedacinho daquele negócio. E, com isso, passa a compartilhar os benefícios de seu sucesso – ou as amarguras de seu fracasso.

 

Como as ações são ofertadas

Funciona assim: a empresa faz a sua oferta pública inicial de ações, também conhecida como IPO (sigla em inglês de Initial Public Offer), na bolsa de valores. Nessa operação, ela abre o seu capital e aceita que outras pessoas, além dos atuais sócios, comprem cotas de participação em seu negócio. Com isso, a companhia aumenta o seu capital e ganha fôlego para continuar investindo. Esse processo é conhecido como “oferta primária” de ações.

Depois que estão no mercado, as ações podem trocar de mãos a qualquer momento: os acionistas têm autonomia para vender parte ou a totalidade de suas cotas quando quiserem. Nesse tipo de transação, o capital social da empresa continua o mesmo. Ela, porém, vai ganhando um número de maior de acionistas. Esse é o chamado mercado secundário de ações.

 

Tipos de ações

As ações são classificadas em ordinárias, que recebem a sigla ON, e preferenciais (PN). As ordinárias dão a quem compra o direito de votar nas assembleias de acionistas, onde são decididos os principais investimentos e os rumos do negócio. Já as ações preferenciais são aquelas que dão ao acionista prioridade no recebimento de proventos, ou seja, dividendos e outros benefícios pagos aos acionistas a cada período.

 

Como as pessoas ganham dinheiro com ações

De duas maneiras, principalmente: vendendo as ações por um preço maior do que comprou, quando elas se valorizam, ou recebendo os dividendos que são distribuídos pelas companhias quando elas têm lucro. Os dividendos são uma espécie de recompensa que as empresas dão a seus investidores. Ao final de cada período, elas apuram seus lucros e dividem uma parte entre seus acionistas. O pagamento de dividendos pode ser em dinheiro ou em bonificações, que são ações adicionais, de maneira que o investidor aumente sua participação na empresa.

 

Onde comprar ações

A compra de ações pode ser feita em uma corretora de valores (home broker) registrada na Comissão de Valores Mobiliários, órgão responsável pela regulação e desenvolvimento desse mercado no país. O primeiro passo é abrir uma conta na corretora, que pode ser do seu próprio banco. A seguir, você transfere o valor que deseja aplicar para a sua conta na corretora e solicita a compra das ações que escolher.

 

Quanto eu preciso para começar a investir em ações

Não há um valor mínimo. A recomendação é começar com pouco e ir aprendendo como esse mercado funciona antes de fazer investimentos maiores. Independente do valor, a dica é nunca comprar ações com aquele dinheiro que poderá fazer falta no curto prazo, já que a chance de perda é significativa.

 

Impostos e taxas sobrados

A compra e venda de ações envolve a cobrança de taxas de corretagem e de custódia, pagas à corretora de valores, e emolumentos, que são valores cobrados pela Bolsa de Valores para cobrir o gasto das transações, o imposto sobre serviços e a liquidação dos títulos. O investidor paga, ainda, imposto de renda sobre a venda das ações, mas isso acontece apenas quando o valor for superior a R$ 20 mil. O imposto, nesse caso, é de 15% sobre o lucro obtido com a venda nas operações com mais de um dia e de 20% para operações que acontecem no mesmo dia na bolsa de valores (o chamado day trade).

 

Qual o risco de perder dinheiro?

Ações são consideradas um investimento de alto risco porque dependem de fatores que fogem totalmente do controle de quem investe. Oscilações nas taxas de inflação e emprego, medidas legais e econômicas, situação política, especulações nacionais e internacionais, crises em determinados setores e estratégias das companhias são alguns dos aspectos que podem influenciar positiva ou negativamente o preço das ações. Esse mercado não vive apenas de fatos ocorridos, mas também é movido por tendências.

O simples anúncio da aquisição de uma empresa por outra, ampliando o alcance dos negócios, pode elevar o preço das ações. Por outro lado, se a companhia registra queda nas vendas de seus produtos no mercado internacional, o preço das ações tende a cair. O mesmo ocorre quando ela sofre acidentes, como o enfrentado recentemente pela Vale. Três dias após o rompimento de sua barragem de rejeitos em Brumadinho (MG), as ações da companhia tinham perdido quase 25% de seu valor de negociação.

 

Mais segurança para investir

Embora seja um investimento de alto risco, é possível reduzir as incertezas por meio de diversificação da carteira de investimentos, combinando ações, que são produtos de renda variável (não definida de antemão), com outros mais previsíveis e seguros, como o Tesouro Direto, os fundos DI e de renda fixa, LCI, LCA e CDB, entre outros. Saiba mais sobre fundos de investimentos.

Outra regra básica é aplicar em ações apenas aquele dinheiro que você não precisará usar em situações de emergência ou para pagar contas do dia a dia. Ações são investimentos de longo prazo, cujo retorno pode demorar a chegar. Conheça 3 investimentos para formar sua reserva de emergência. Veja também opções para aplicar o dinheiro por pouco tempo.

 

Resumo: vantagens X desvantagens

As ações oferecem alta liquidez – você pode vender a qualquer momento – e trazem a promessa de ganhos superiores aos de outros produtos. Mas elas podem oscilar muito de preço no curto prazo, gerando grande ansiedade nos investidores. É preciso equilíbrio emocional para lidar com essas variações.

Se você espera o preço de uma ação subir para comprá-la ou corre para vender as ações que comprou quando o preço começa a cair, pois não suporta as oscilações de preço, essa talvez não seja a aplicação mais adequada a seu perfil. Ou, ainda, se precisar do dinheiro e vender na hora errada, pode ter um prejuízo considerável.

Outra questão a ser considerada: o mercado de ações é complexo e não é fácil conhecer a fundo as estratégias das empresas. Encontrar papéis promissores é uma atividade sofisticada, que envolve uma pesquisa mais profunda. Converse com um especialista para ter orientação adequada.




Matérias Relacionadas

Tudo sobre a poupança

Quando começar a poupar para a aposentadoria?

Você tem dificuldade para poupar? Freud explica

7 mentiras sobre dinheiro que podem atrapalhar sua prosperidade