Uma Iniciativa Febraban
Atualizado em: 08 jul 2020 às 08h e 28m

Negócios para começar em casa durante a pandemia

10 oportunidades para empreender, trabalhar por conta própria e fazer renda

 

Cerca de 40% dos brasileiros perderam total ou parcialmente a renda durante a pandemia, de acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Para conseguir driblar a crise, uma alternativa é usar habilidades que você já tem para fazer dinheiro sem precisar sair de casa. Afinal, o Covid-19 continua oferecendo riscos à saúde da população e enquanto não for descoberta uma vacina ou medicamento eficaz contra a doença, o melhor jeito de se proteger é manter o distanciamento social.

Conheça algumas oportunidades para empreender em casa e trabalhar por conta própria neste período e aproveite para transformar o que você sabe fazer de melhor em dinheiro. Quem sabe até você descobre, no meio da confusão em que vivemos, uma nova carreira ou profissão. 



Receber uma comidinha caseira em casa, quentinha, na hora da refeição, é uma mão na roda para muitas pessoas. Ainda mais nesse momento em que as famílias estão com as crianças dentro de casa e precisam se desdobrar para dar conta de tudo, além de ajudar os filhos nas tarefas escolares.

Esse é um tipo de serviço que funciona bem à base de encomendas e, para isso, você precisa criar e divulgar um cardápio e definir um prazo para que as pessoas façam seus pedidos. Eles podem ser feitos no dia anterior ou no próprio dia da entrega, até às 8h30, por exemplo. Peça ajuda de seus vizinhos e familiares para criar uma lista de conhecidos que moram perto de você e que possam ter interesse em receber refeições em casa. Crie um grupo de Whatsapp, Telegram ou use o Instagram para divulgar.

A ideia é criar um cardápio semanal com uma mesma base – arroz, feijão, verdura ou legume refogado – e um tipo diferente de carne por dia (bovina, de porco, galinha ou peixe). Nada como um arroz e feijão bem temperadinhos e feitos na hora. É aí, no cuidado com o preparo, que pode estar o seu diferencial. Para variar um pouco, você pode oferecer de vez em quando uma opção de massa (lasanha ou macarrão), uma torta ou uma polenta cremosa com uma cobertura suculenta de carne e verdura no lugar do arroz e feijão. É interessante também oferecer opção para os vegetarianos.

Organize como será feita a entrega de modo que a refeição chegue quente às casas das pessoas e não esqueça de calcular todos os gastos antes de informar os preços de cada prato. Veja as dicas para calcular seus preços e garantir seu lucro. Elas valem, aliás, para todo e qualquer produto que você resolva vender. 



Durante a quarentena, muitas pessoas têm se aventurado na cozinha inclusive em áreas em que não estão acostumadas. A de panificação é uma delas. Mas, em geral, só fazem isso de vez em quando. Então, há oportunidades nessa área. Se você gosta de fazer pães, monte um cardápio diferenciado, que pode ir do pão caseiro tradicional à base de farinha branca às formulações com grãos, castanhas e outros tipos de farinha (integral, de arroz, de coco, amêndoas, etc.).

Capriche também nos formatos – quadrados, baguetes, redondos, enroladinhos, mini-pães – e planeje uma opção de pão recheado, que pode ser doce ou salgado. Busque receitas na internet, teste-as antes de começar a produzir para vender e monte o seu cardápio de pães. Divulgue em sua rede e peça ajuda dos amigos e vizinhos para divulgar também. 



No chamado cinturão verde, a área rural no entorno das cidades, há uma série de pequenos produtores que nem sempre conseguem fazer a distribuição na área urbana de um jeito eficiente. Por outro lado, há pessoas que procuram oportunidades na venda de produtos. Quando essas duas partes se encontram, surgem benefícios para todos os lados. Para quem produz, vende e também para quem recebe os produtos em casa.

Ovos caipira, verduras e legumes sem agrotóxicos, frutas, doces e geléias são alguns dos itens que podem ser muito bem-vindos. Se você tem um automóvel para retirar e entregar produtos, um familiar no interior ou conhece pessoas que possam indicar sitiantes próximos, a dica é fazer um contato, entender o que ele pode oferecer, com qual periodicidade, e pensarem juntos como distribuir. Há casos em que as entregas de pequenos produtores rurais é feita em apenas um condomínio, por exemplo. 



Comprar produtos em quantidade e vendê-los fracionados é um jeito de fazer renda. Para agregar valor a esse trabalho, que tal montar e vender cestas para pessoas que querem presentear alguém sem sair de casa? Nesse caso, é importante pensar em formas de apresentar que causem uma boa impressão e palpite o coração de quem vai ganhar o presente. Podem ser cestas, caixas de papel kraft com algum apoio interno (palha, tule, papel de seda), sacos de juta ou de chita feitos por você, por exemplo. Também é importante oferecer versões de menor custo, com três ou quatro itens, e outras mais completas, para quem quer arrasar no presente. Há uma enorme possibilidade de cestas que você pode montar para pessoas com os mais diferentes estilos. Veja algumas opções superlegais:

  • • Para quem ama café: chícara de cerâmica, um café especial, biscoitos caseiros, kit de minicoador de pano e xícara de ágata, pau de canela para mexer o café, etc.
  • • Para cuidar das unhas: kit de esmaltes de diferentes cores, lixas normais e de brilho, produtos para acabamento, alicate de cutículas, lixas e cremes para os pés e por aí vai.
  • • Para cuidados com o corpo: creme hidratante, esfoliador, sabonetes especiais, esponja, espuma ou óleo para banho.
  • • Para café da manhã: pão artesanal, miniatura de manteiga, queijo, geleia caseira, sucos longa vida, frutas, bolachas e outros itens.
  • • Para quem gosta de founde: queijos para fazer o foundue ou o produto pronto para aquecer, acompanhado de espátulas e pães. Ou uma opção mais cara, com uma garrafa de vinho.
  • • Para quem adora cozinhar: temperos frescos plantados em pequenos vasos ou secos, em embalagens charmosas, farinhas especiais, azeites aromatizados, grãos e castanhas. 



Muita gente tem o armário abarrotado de coisas que não usa. Que tal ajudar essas pessoas a praticarem o desapego por uma boa causa? Conte que você pretende organizar um brechó online para fazer renda na pandemia, peça doações e mãos à obra!  Crie uma página na sua rede social favorita (ou em mais de uma delas), peça ajuda aos universitários da vizinhança para fazer boas fotos das peças e anuncie-as.

A forma de pagamento pode ser depósito em conta corrente ou poupança e a entrega pode ser feita pelos correios. Não esqueça de informar o valor do frete na divulgação dos preços. Você também pode usar um marketplace para vender. Confira as dicas para se dar bem nas vendas online e bons negócios! 



Outro jeito de ganhar dinheiro com vendas online é criar um blog ou página nas redes sociais para vender produtos para outras pessoas e empresas. Esse tipo de atividade é conhecido como “afiliado”. Ou seja, você se cadastra para trabalhar com uma marca (afilia-se a ela), dedica tempo para divulgar o produto e ganha uma comissão para cada clique, venda concretizada ou conteúdo acessado a partir de sua página ou link que você tenha compartilhado.

Esse sistema é chamado de monetização e é bastante usado em jogos gratuitos para celular e internet. Quando alguém clica no anúncio, o dono do jogo ganha um pouquinho. Quanto mais cliques, maiores os ganhos. Há empresas de todo tipo que têm programas de afiliados, entre elas, estão o Walmart, Ebay, Americanas, Amazon, Netshoes e Submarino.

Há ainda, um grande número de plataformas que trabalham exclusivamente com afiliação e oferecendo comissões sobre os resultados. Para se afiliar a elas, você precisa preencher um cadastro e, em seguida, já pode começar a vender. Veja algumas: Hotmart, Udemy, Monetizze, Eduzz e Uol Afiliados. Faça uma busca na internet para descobrir outras. 



Essa é uma atividade nova no Brasil e que tem crescido durante a pandemia.Funciona assim: pessoas e organizações contratam assistentes virtuais, que trabalham em suas casas, para cuidarem da agenda, fazer pagamentos, organizar arquivos digitais, enviar correspondências, fazer prospecção de vendas e alimentar planilhas e sistemas com dados. Há algumas plataformas que conectam pessoas interessadas em trabalhar e empresas interessadas em contratar assistentes virtuais. Conheça algumas delas: JustVirtual, Workana, Fiverr e GetNinjas. 



Se você escreve bem, tem uma boa voz para gravar áudios, sabe desenhar, mexer com programas de imagens, áudio ou vídeo ou plataformas de criação de sites, trabalhar como freelancer pode ser um caminho para você. Há oportunidades para freelancers em todas as profissões, inclusive para dubladores e tradutores. Um jeito de acessar essas oportunidades é se inscrever em plataformas como o 99freelas, Freelancer, Guru (em inglês), Prolance e Flexijobs e outros. 



Hoje, pode-se ensinar e aprender quase tudo pela internet. Se você conhece bem um assunto, a dica é montar um curso rápido sobre ele, convidar um grupo de amigos para testar e então preparar uma versão mais profissional do curso. Não precisa ser um assunto técnico nem muito complicado. Você pode ensinar, por exemplo, como criar posts magníficos para redes sociais, como organizar a cozinha de casa para preparar comida para vender ou como fazer os doces mais saborosos de nossas avós.

Outra opção é oferecer mentoria para pessoas menos experientes que você em determinado assunto. Em reuniões semanais com período pré-determinado (30 minutos ou uma hora, por exemplo), o mentor entende as dificuldades, orienta, ajuda a fazer questionamentos que levem o mentorado a encontrar soluções para determinado problema ou o acompanha à distância durante um determinado projeto. 



O retorno das pessoas às atividades na saída da quarentena deve ser cercado de todos os cuidados. E o uso de máscaras é um deles. Ainda que já exista um grande número de pessoas trabalhando com isso, costurar e vender máscaras continua sendo uma alternativa para fazer renda. Há, inclusive, algumas plataformas que dão apoio e incentivo a essa atividade, como Assumme e Heróis usam máscaras.

Na internet, você encontra muitos modelos e moldes prontos para máscaras. Considere fazer tamanhos diferentes, com tecidos lisos, com estampas suaves e divertidos para as crianças. O importante é seguir as orientações de órgãos oficiais, como o Ministério da Saúde, para confecção de máscaras que ofereçam uma boa proteção.




Matérias Relacionadas

Gente que se reinventou na crise

Coronavírus: o que fazer com os pagamentos do próximo mês?

Coronavírus: o que fazer com as dívidas neste momento

A pandemia e nosso comportamento de consumo

>

Solidariedade em tempos em crise